12.3.14

(In)Compreensão.

Queria verdadeiramente vos entender.
Não consigo.
Não entra na cabeça desse aqui
Essa busca desenfreada pela felicidade
Calcada na tentativa de alcançar
Algum tipo de plenitude, de constância,
Esteja ela atribuída ao que for.
Vocês querem a segurança de tudo.
Da propriedade, do amor, da vida...
Não compreendo vocês.
Não é possível que vós não tenhais compreendido que há um inaceitável desejo da inércia.
Felizes são aqueles que não buscam.
Pois, o não buscar não é ficar parado.
Mas caminhar como se pode.
É ir sempre pelo meio,
Quando a bifurcação aparece.
E nessa eterna tentativa do inalcançável, fico com a insegurança,
com a inconstância, 
com o transitório.
A felicidade inexistente
Só é possível
Através da subversão do que é ser feliz.
Postar um comentário