12.2.14

Ciclo da vida.

A vida é engraçada.
Quando a gente nasce,
ela percebe a besteira que fez conosco e,
arrependida, decide tentar se redimir
nos dando quatro presentes.
Um para cada etapa que ela nos faz passar.

O primeiro, para a infância.
A esta, entregou a genuína alegria,
a felicidade original,
o desfrute sem culpa.

À adolescência, a verdadeira paixão.
A sensação de incondicionalidade,
o verter-se em Werther e apenas imaginar-nos
contemplados por inteiro com o outro.

A idade adulta recebe o mimo que,
talvez, seja o mais complexo e interessante:
O grande benefício da hipocrisia.
Pois apenas com ele é que se pode chegar ileso
à última etapa.

Aos idosos, a vida,
frustrada por tentar agradar-nos
e não obter sucesso,
carregando a culpa por ser ela o que é,
para nós,
concede-nos o último benefício:
livra-nos do martírio que ela nos causa,
mesmo tentando, com aquelas minúcias,
amenizá-los.

Entretanto, às vezes,
ela se equivoca,
e os presentes saem trocados,
repetidos,
faltando em algumas das épocas.
Nestes casos, mal sabe ela, coitada,
que é pelo que vale a pena viver.
Pela exceção.
Paixões adultas genuínas,
Alegria idosa verdadeira,
a hipocrisia infantil,
genial,
ou livrar-se do sofrer em quaisquer das outras três etapas.
Postar um comentário