12.8.14

Tratado combinado

Não se espante se o amor
Não existir,
Por existir,
Se ele não conseguir se explicar sozinho.
Amar é verbo que sempre precisa de complemento.
Amor depende.
Depende de quem. Ou de quems.
De quando, de onde
E de uma série de porquês.
Amor não se basta.
Amar nunca bastou.
Amor depende de capital,
Das capitais,
Da produção, do desempenho,
Da facilidade, do conforto, da acomodação.
Amar não basta.
Amor? Nunca se bastou.
E o amor segue dependente.
Da ética, da estética,
De ser um amor político.
Da voz que o amor quer ter e se reconhecer
Mas não pode só por causa de tudo.
Amor depende do arrependimento.
Depende da sorte e também do azar.
Depende da morte, da vida
Da vergonha na cara
E dos precipícios.
Se tem uma coisa que amor depende é de querer e por incrível que pareça,
Do contrário também.
O amor pode depender apenas do amor, é claro e
apesar de ser a sua dependência mais sincera e legítima,
O amor depende do medo e da coragem.
Amar pode depender, inclusive,
De tudo isso junto,
Mas nunca, nunca não dependerá de nada disso.
Por isso, escrevo este ensaio.
Para assinar um contrato com o amor.
Não mais o investigarei e o tentarei compreender.
Pouco me importa, a partir de agora,
Se é transitivo ou intransitivo,
Enquanto ele for assim: intransigente.
Sem se bastar.
Sem ele pensar por que nunca se bastou.
Postar um comentário